quarta-feira

O que seria do poema sem a dor?

A dor comove, dilata e enobrece
Compõe o poema, a música, o olhar

A dor fratura a esperança
Congela a tristeza
Apalpa o ódio
Espia a morte...

A dor de um poema...

Escreve na palma da folha
Um livro de mágoas
Adentra no poro, na fibra da unha
Dilui no sangue, na raiz da pálpebra
o choro inevitável...

A dor vaga no corpo, na casa
Espanta a luz da manhã
E o viço da lua...

A dor desconcentra, desconcerta
Desespera, desarruma.

A dor fuma o pulmão
Cansa os pés, as mãos
Molha e absorve
Deixa ficar essa letra
Esquecida na gaiola...

Quantos poemas essa dor vai compor?
Quanto tempo para o fim dessa dor?


Nenhum comentário:

Postar um comentário