quarta-feira

Ampulheta

"Olhos fechados prá te encontrar..." 


Saí para ver o mar
E o que saltou aos olhos foi
espelho do céu
Da areia á água fui como grão,
filho do tempo, quase impalpável.
Na espuma, ressaca das ondas
Eu, grão era estrela
No infinito do teto azul
Ali, era nada.
Quando voltei, eu era nada...
Tirei dos pés o pó celeste,
reflexo de encantamento
Dos olhos tirei areia e virei
de novo a ampulheta
Meu mundo de cabeça prá baixo...